Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, 14 de março de 2016

● CAREIRO NO AM - O Rio mar tá levando as barranqueiras, as plantações, a frente do município e a história do povo da várzea, que vive na cidade das terras caídas

FRENTE DO MUNICÍPIO DO CAREIRO DA VÁRZEA ESTÁ DESAPARECENDO E LEVANDO CONSIGO OUTROS LUGARES
Prefeitura vai decretar, nessa segunda-feira (14), situação de emergência por causa dos deslizamentos de barranco que estão acontecendo na orla da cidade. Os sinistros tiveram início no dia 26 de fevereiro deste ano.
SILANE SOUZA – Á CRÍTICA
O município de Careiro da Várzea (a 25 quilômetros de Manaus) decreta hoje  situação de emergência por causa dos deslizamentos de barranco que estão acontecendo na orla da cidade. Os sinistros, que tiveram início no dia 26 de fevereiro, ameaçam atingir as estruturas físicas da feira coberta José Panza Filho e da Escola Municipal Francisca das Chagas da Fonseca Pinto, na avenida José Ribamar, Centro. Ambos estão interditadas.

O deslizamento do terreno inclinado ocorreu numa área de aproximadamente 1,2 mil metros quadrados atingindo redes de águas pluviais, hidráulica, de distribuição de água e de energia elétrica, além de passeios públicos,  meios fios, proteção de bueiro, caixas de passagens, entre outros. Há ainda a possibilidade do sinistro, que levou parte da avenida José Ribamar, contribuir com o abaixamento do aterro do piso da escola e também da única feira do município.

O engenheiro civil da Prefeitura de Careiro da Várzea, Michael Bentes, disse que o local precisa de uma intervenção urgente, pois a erosão se encontra em estado avançado, comprometendo o entorno e podendo trazer riscos para os moradores e população em geral que necessita do acesso à região. Entretanto, o município não tem recurso, por isso, a situação de emergência. “Com o decreto, podemos agilizar os trâmites legais para captação de recursos e acelerar a execução dos serviços”, apontou.

Bentes destacou que um estudo preliminar junto com a estimativa de custo da obra, que gira em torno de R$ 2,8 milhões, foi apresentado na última quarta-feira para a Defesa Civil do Amazonas, mas foi apenas da parte em frente à feira. O deslizamento em frente à escola ainda não tinha ocorrido. Agora, um novo projeto deve ser feito. “Choveu muito ontem (sábado), a terra na frente da escola começou a se movimentar e nossa preocupação é que com essas chuvas a situação piore ainda mais”, comentou.

A feirante Cassiane dos Santos Carvalho, trabalha há quatro anos na feira José Panza Filho e nunca havia visto um deslizamento de barranco tão grande quanto esse na orla do município de Careiro da Várzea. Ela se diz preocupada com a interdição do espaço. “A gente só depende dessa feira para tirar nosso sustento, por isso, estamos apreensivos porque não sabemos como vai ficar a situação”, relatou. O funcionário público Cristiano Inácio Sales Bulcão, 26, também é outro que está preocupado com o fenômeno natural que ameaça atingir a unidade de ensino em que a filha de cinco anos estuda. “A escola já foi interditada. A Secretaria Municipal de Educação prometeu arrumar outro local para abrigar provisoriamente os alunos. Nós esperamos que isso ocorra logo porque as aulas não podem parar”, frisou.

SOLUÇÕES DEFINIDAS A PARTIR DE HOJE
Com a interdição da Escola Municipal Francisca das Chagas da Fonseca Pinto, pelo menos 160 alunos da educação básica infantil ficarão sem estudar. O prefeito de Careiro da Várzea, Pedro Duarte Guedes, garantiu que a partir de hoje vai encontrar um novo espaço para a unidade funcionar provisoriamente.

Quanto aos permissionários da feira José Panza Filho, o prefeito disse que também pretende realocá-los e o novo espaço será definido hoje. Mais de 80 agricultores e produtores rurais estão no prejuízo com a interdição do lugar, que concentra as vendas de peixes, carnes, frutas, verduras, legumes e estivas em geral.

“Hoje também levarei a situação desse sinistro ao conhecimento do Governador do Estado, pois não temos recurso para fazer as obras de contenção, que é um serviço muito caro. Também irei a Brasília tentar conseguir recursos, pois os prejuízos já ultrapassaram a receita do município”, disse Guedes.

EM NÚMEROS
80 produtores rurais foram afetados com a interdição da única feira de Careiro da Várzea. O deslizamento do barranco comprometeu o funcionamento do local.

160 alunos ficarão sem aulas, por enquanto, em razão da interdição da escola em que estudam. A unidade pode ser atingida com o deslizamento de barranco registrado no local. (A Crítica)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar o que quiser, apenas com coerência e sem ataques pessoais.