Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, 7 de março de 2016

● Mineirinho foi intimado a depor na Lava Jato, chegou a sentar na frente do Juiz Moro, ele disse ao Estadão: “Esse juiz… Como é mesmo que ele se chama? É Sérgio… Eu falei que eu era capoteiro, ele ficou rindo.”

‘UAI, SERÁ QUE USARAM MEU NOME NESSE TREM?’, DIZ CAPOTEIRO CHAMADO PARA DEPOR POR ENGANO NA LAVA JATO
Na última sexta-feira, o capoteiro Jorge Washington Blanco, de 55 anos, ficou frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato. Por engano. O homônimo Jorge Blanco foi intimado para depor como testemunha de acusação contra o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A força-tarefa da Lava Jato procurava um executivo que seria ligado ao Banco Schahin. Segundo um dos defensores presentes na audiência, ‘um uruguaio ou argentino’. “Uai, eu fiquei meio assim, falei: será que usaram meu nome nesse trem? Eu nunca me envolvi com nada errado. De uma hora pra outra aparece negócio de Lava Jato, coisa que eu vejo falar na televisão”, disse. Diariamente, entre 11h30 até 18h30, o capoteiro trabalha em uma loja em Belo Horizonte com capota e estofamento. Casado, com dois filhos, Jorge Blanco disse que um deles pensou que a intimação para comparecer à Justiça Federal, em Minas, se tratasse de uma brincadeira. “Um deles falou: isso é negócio que põe na internet, o pessoal fica brincando. Eu falei: comigo não foi brincadeira, não. O rapaz trouxe a intimação, olha aqui.” Em videoconferência, Jorge Blanco respondeu a todas as perguntas. Nesta entrevista, também. À reportagem, Jorge Blanco explicou, com muito bom humor, o depoimento à maior investigação contra a corrupção do País. “Fui sozinho (para a audiência). Pensei: pode ser um nome parecido. Moro em Belo Horizonte, nunca viajei para Curitiba, nunca saí daqui”, afirmou o capoteiro, se referindo a cidade base da Operação Lava Jato. “Esse juiz… Como é mesmo que ele se chama? É Sérgio… Eu falei que eu era capoteiro, ele ficou rindo.” Leia mais no Estadão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar o que quiser, apenas com coerência e sem ataques pessoais.